domingo, março 08, 2009

Observando...

Nunca fui muito adepta de domingos. O facto de ficar em casa sozinha a estudar ou a fazer qualquer outra coisa menos interessante nunca me agradou em nada. Decidi vir tomar o meu cafezinho à cafetaria e estudar um bocadinho. Sempre estou rodeada de gente e não estou em casa. Mas o meu ódio à psicologia é tanto que nem aqui sou capaz de estar atenta ás palavras deste livro. A solução é adiar o estudo até não poder fugir mais. Resolvi escrever. Até para isso o tempo é escasso. Sempre aproveito este domingo para fazer algo que gosto.
Aqui, nesta cafetaria, vê-se as pessoas a ocuparem o seu domingo de formas distintas.
Eu, para aqui permaneço a um canto mas com uma ampla visão. Posso observar discretamente tudo e todos os que me rodeiam. Permaneço sozinha, a escrever depois de ter tomado o café que se tornou regra.
À minha direita encontra-se uma rapariga a lanchar. Estava sozinha tal como eu mas entretanto chegaram outras duas que agora lhe fazem companhia. Não sei se foi propositado ou ao acaso, mas ficou formado um grupo que conversa sobre as trivialidades que as raparigas conversam...
Na minha diagonal esquerda encontra-se um rapaz, sozinho tal como eu. Logo que chegou, despertou a minha atenção. Atrevo-me a dizer que é bastante giro e bem-parecido, nada indiferente aos olhos de qualquer mulher. Este lê atentamente um jornal. Não consigo perceber se espera por alguém mas arriscaria dizer que sim pois olha para o seu telemóve repetidas vezes.
À minha frente encontra-se um rapaz um pouco mais velho que o primeiro e com um ar bem menos vistoso. Está também sozinho e guarda um carrinho de bebé. Parece impaciente e tem um ar de tédio. Cada um faz as suas escolhas para a vida. Depois terá de arcar com as consequências.
Sei que tenho muito para estudar mas isso agora pouco me importa. Hoje estou mais virada para a minha criação e para a minha liberdade.
E permaneço siozinha observando dezenas de pssoas que passam por mim,c ada uma tão diferente dos restantes...E eu sempre igual a mim própria dando sentido aos sinais, aos gestos, às crenças e às vontades transformando-as em palavras...

Ser escritor não é dificil. Basta pegar na caneta, sentir e fazê-la deslizar sobre o papel...

1 comentário:

Carla Gomes disse...

'Ser escritor não é dificil. Basta pegar na caneta, sentir e fazê-la deslizar sobre o papel...'

O dificil é conseguir manter o interesse do leitor, mas isso tu sabes o fazer como poucos.

Continua, não sei porquê, mas adorava conhecer-te pessoalmente, deves ser uma pessoa muito especial.

Já sabes se vieres para os lados de Dublin... ja terás companhia para tomar o tal cafesinho que se tornou regra.
Take Care